Resenha: Uma bebida e um amor sem gelo, por favor

Por Bel Farias (Twitter @Bel_Larie)


Quando era adolescente, eu costumava comprar as revistas da Capricho, especialmente por causa da Liliane Prata e a coluna que ela assinava, sempre alto astral e com textos ótimos. Quando o quase amadurecimento foi chegando, dispensei a revista. Eis que, nesse período, corro atrás de um dos livros dela; dispensei o Diário de Débora, por achar o título infantil. Deparei-me com Uma bebida e um amor sem gelo, por favor. Mexeu com a minha curiosidade – e meu romantismo.

Quando comecei a ler, quase engasguei de susto. Explico; Não achei, sinceramente, que ela conseguiria escapar da linguagem juvenil. Mas ela conseguiu. Nem escorregou no ambiente cor de rosa de meninas de 16 anos. Ponto alto!
Depois, o romance é extremamente gostoso, engraçado, arranca boas risadas e diverte. Não é uma história mamão com açúcar e esta completamente distante de todos os clichês que provavelmente já viu/ leu.

Só uma dica: é necessário despir todos os preconceitos para curtir a leitura, porque não é bem um romance tradicional… Mas não deixa de ser gostoso e bonito! O desenrolar da história nos envolve de tal maneira que é impossível deixa-lo de lado. E como o livro é fininho, dá pra termina-lo em um dia!


Uma bebida e um amor sem gelo, por favor – De Liliane Prata.


Marina não se acerta com namorados. Eles sempre acabam fugindo, sem dar explicações. O máximo que conseguiu foi um namoro de três meses com Gustavo, colega da agência de propaganda onde ela trabalha, e quando já estava pensando no vestido de noiva, pegou o “noivo” em flagrante com a nova estagiária. Foi uma decepção e tanto. Como se não bastasse, Juliana, com quem ela divide o apartamento onde mora, está de casamento marcado, e só fala nisso e, ainda por cima, Marina tem de fazer um anúncio para o dia dos namorados. Aos 24 anos, apesar de ser linda e maravilhosa, Marina está totalmente encalhada. Excluída da campanha de celular, da qual ela tanto queria participar, precisa fazer um anúncio para uma agência de encontros que tem um site a internet. Seu chefe sugere que ela entre em um chat , para conhecer mais sobre namoros virtuais . Assim, ela acaba conhecendo Rafa, que faz arquitetura. No começo ela resiste, mas acaba se apaixonando por ele. Quando finalmente se encontram, Marina tem uma grande surpresa, que a obriga a rever todos os seus conceitos e preconceitos. Ao ler esta história, que relata o cotidiano de uma jovem de classe média – seus sonhos, suas dúvidas, e seus problemas – escrita no estilo leve e divertido que já consagrou a jovem autora, não podemos deixar de pensar que o que importa, acima de tudo, é viver umgrande e intenso amor.

Anúncios

7 comentários sobre “Resenha: Uma bebida e um amor sem gelo, por favor

  1. Rayme Arenhart Datsch disse:

    pelo o que ouvi falar do Diário de Débora, não tem nada de infantil hahaha
    eu lia bastante a revista capricho tbm!
    adorei a resenha!

  2. Yohanna Elizabeth disse:

    Eu, sinceramente, não conhecia essa Autora e nem suas obras. Esse livro parece ser muito bom! E o título logo nos passa certa ideia do que se passará 🙂

    Beijos

Obrigado por passar pelo In The Sky.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s